diumenge, 30 de març de 2008

Tarsila

Era uma dessas mulheres que nao se usam mais.
Vestes de trevas e vidrilhos.
Surgiu da noite.
Sumiu pela última porta do poema.
Mario Quintana. Esconderijos do tempo. Editora Globo. Sao Paulo 2006.

Vaig veure aquests colors vius una vegada, quan era petit, però no recordo si era en un llibre o al cos nu d’una dona que es banyava. El que si recordo és que aquell va ser el meu primer naixement, i que eren aquests mateixos colors tropicals que pinta Tarsila. Però a mi també em van ensenyar que això era inútil, innecessari, una pèrdua de temps, i que la vida era el gris que ara m’afanyo a apuntar en un quadern de notes o al mirall de lavabo de casa. Aleshores no sabia que em trobaria cara a cara amb la meva infància en una Pinacoteca, ni que escriure poesia era com lligar-se els cordons de les sabates o fer-se el dinar o posar el programa de llana de la rentadora.

1 comentari:

Valéria Araújo ha dit...

Lindo post!
Desde suas palavras até os seus olhos claros e cansados da foto na janela do hotel Internacional em Foz, que eu mesma tirei!
O que escreveu se parece comigo, e foi assim que me descobri em Tarsila, a identidade, a brasilidade, o amor à esta Terra colorida, sofrida, linda e feliz que é o meu Brasil! Vi Tarsila por seus olhos, livre dos preconceitos como você faz, olhando tudo como se fosse a primeira vez, sem esperar nada, apenas recebendo e aproveitando o que virá.
Uma das coisas que mais admiro em você (redundante, pois sempre te digo) é a sua capacidade de falar a língua da poesia, dos sentimentos e transformar as coisas corriqueiras, cotidianas em arte. Traduzir sentimentos em palavras é capacidade de poucos, dos que sempre admirei pela facilidade de dar beleza ao trivial, assim como fazem lindamente Quintana, Drummond, Bandeira... Jamais havia conhecido alguém capaz de dar tanta beleza às minhas lembranças e aos meus lugares - como Santana, o meu bairro e a padaria Polar - como você.
Amo tua sensibilidade, e admiro muitíssimo o dom de ser poeta, ofício precioso que os deuses te presentearam quando nasceu.
Te amo muitíssimo! Tenho muito orgulho de ser a tua mulher.